GaloKombi em vídeo

Loading...

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

O FIM DE UM MITO

Nessa fase de especulações sem fim, e que tanto enchem o saco, já que tudo pode ser e ao mesmo tempo não é, as eleições para a presidência do Galo, na próxima quinta-feira, dia 15/12/11, tomam conta de parte do noticiário, especialmente neste ano em que três chapas concorrem, e diante de tudo o que cada um já disse, ficaram bem concorridas, diferentemente de outros anos.
Mas um aspecto deve ser observado: qualquer que seja o resultado da eleição, já existe um perdedor: Alexandre Kalil.
Isso mesmo!
Mesmo que Kalil vença as eleições, ele será o maior perdedor.
Independentemente da confirmação de sua vitória, será o fim de um mito!
Kalil era tratado pela torcida e por parte da imprensa como um mito, o Jesus alvinegro, o Messias, o Filho de Elias viria para salvar o mundo alvinegro.
O herdeiro daquele que é considerado por muitos como o melhor dirigente que o Atlético já teve, só teria que fazer jus à sua linhagem e conduzir o Galo aos dias de glória de outrora.
Chegou no olho do furacão da renúncia de Ziza, em 2008, no ano do centenário, para colocar a ordem necessária naqueles dias de confusão generalizada, em que nem mesmo os demais responsáveis pelo clube honraram as calças que vestiam para assumir o clube e fugiram.
Kalil não fugiu!
Chegou e fez piada com seu antecessor, demitiu gente, sob o argumento de que eram apenas penduricalhos da péssima administração anterior. Prometeu trabalhar para fortalecer a imagem do Galo, com jogadores de nível, e não com as barcas que dizia terem sido feita nos cinco anos anteriores.
A massa foi ao delírio com o que parecia ser o enterro definitivo de anos de desmandos e humilhações, de mexiricas e bilus, derrotas e  rebaixamentos, e o início de uma era de títulos e dinheiro.
Afinal, tudo era com ele. Ele acertava e ele errava.
Só que, passados três anos, o Messias, ops, digo, Alexandre Kalil, falhou. Conseguiu ser pior que seu antecessor.
O que parecia ser o cumprimento da promessa de dias melhores, resultou num gosto amargo de decepção, com o time que liderou boa parte do campeonato, despencar no finzinho, ficar de fora da libertadores e ainda ver o maior rival lhe tomar o lugar.
Mas aquilo foi tolerado, afinal, era o início do mandato. E, para coroar o apoio da torcida, tudo o que tinha "dado errado" em 2009 foi extirpado do clube e um novo projeto foi apresentado. Resultado: nova luta contra o rebaixamento em 2010. O mesmo aconteceu em 2011.
Três anos depois, 72 jogadores depois, quase 50 rodadas na zona de rebaixamento depois, e uma goleada muito mal explicada no fim do campeonato de 2011, em circunstâncias no mínimo estranhas, em que a desconfiança da massa atingiu tudo e todos, o mito Alexandre Kalil acabou.
A torcida já não acredita mais em suas palavras, já desconfia de muito o que ele diz, notadamente pelas escolhas erradas, pela manutenção de um diretor de futebol contestado, em face de negócios estranhos dos quais participou ainda quando estava do lado de lá da lagoa.
Junte-se a isso tudo a ligação de Alexandre Kalil com Ricardo Guimarães, o onipresente ex-presidente  e atual presidente do BMG, o parceiro das horas difíceis (a quem o Galo deve milhões), faz com que a Massa já não garanta o mesmo apoio que dava antes a ele.
Nem mesmo a informação de que as finanças entraram no eixo, fato contestado pelas demais candidaturas, consegue dar paz a Alexandre Kalil junto à torcida.
A justificativa dada por ele, para todos esses erros, foi a inexperiência. Mas como entender assim, se ele já está nisso desde 2001, quando foi diretor de futebol do Galo, no mandado de Nélio Brant!? 
Enterrado vivo na porta da sede, com manifestações crescentes de desconfianças, contratações contestadas, atitudes egocêntricas, acusações graves dos demais candidatos à presidência, mesmo que seja reeleito, diante da imagem que tinha antes e da que tem agora junto à torcida, de pedra a vidraça, o maior perdedor nessa eleição é, sem dúvida, Alexandre Kalil.
Ainda que nos próximo três anos tudo mude e o Galo se torne o papa títulos do Brasil, todos esses eventos contribuíram, decisivamente, para o fim do mito.
A imagem do Filho de Elias mudou, e mesmo com todas as vitórias do mundo, até com um título de Liberadores, jamais será a mesma.

domingo, 4 de dezembro de 2011

APATIA NOJENTA - 2011 JOGADO NO LIXO

A derrota ridícula do Galo hoje para as marias foi decorrente de uma apatia nojenta, que nunca vi antes na minha vida.
Nem vou entrar na discussão se foi vendido ou não, como amplamente especulado durante a semana. Embora acredite que isso seja possível, me recuso a acreditar nisso. É opção minha não acreditar, e não recrimino quem acredita.
Mas o que me chamou atenção hoje foi a falta de vontade, compromisso, identidade com a camisa que esses vagabundos envergaram na tarde de hoje.
Um time apático, sem a menor vontade de fazer qualquer coisa. Poderia até estar já pensando nas férias, na família, em novos contratos, etc., mas diante do principal adversário, jamais poderia ter sido assim.
Esses vagabundos não entenderam o que esse jogo significava pra torcida? A recepção no CT, ontem, durante o último treino, não foi suficiente pra isso!?
Que jogadores são esses, afinal, que domingo passado se diziam apaixonados pelo CAM e pela torcida, que declararam um esforço a mais pra vencer o cruzeiro e fechar o ano, o que nao aconteceu, sabe-se la porque...
Se a classificação azul não foi vendida, a coisa fica tao ruim quanto, porque uma derrota dessas no fim de ano, depois de momentos difíceis e de pura redenção e entrega da torcida foram jogadas no lixo.
A ida ao CT ontem, foi jogada no lixo.
A camisa de honra do amigo Bolivar, foi jogada no lixo.
As camisas assinadas pelos jogadores, para o Cuca, foi jogada no lixo.
A renovação do contrato de Cuca, depois de suas declarações em favor do rival, e da escalação equivocada, novamente, de Richarlyson e Serginho, é a confirmação do erro. 2012 já começou errado com a renovação do contrato de Cuca.
O ano foi jogado no lixo, pois, se embora tenhamos garantido a manutenção na Série A, o que é pouco, a possibilidade de fechar o ano com vitória, independentemente se isso rebaixaria o cruzeiro, seria a alegria, pequena, de (mais) um ano jogado no lixo.
#GentilezaUrbana
Gentileza Urbana é salvar a raposinha e evitar uma inundação em Sete Lagoas e BH, do chororô por lágrimas azuis.
Sejam gratos a nós!

NÃO MATE! NÃO MORRA!

Hoje é dia de clássico!
Um clássico diferente por tudo o que os Deuses do Futebol decidiram que tinha que ser decidido por seus súditos.
A possibilidade de rebaixamento de nossos arquirrivais toma o atleticano de um sentimento, acredito eu, jamais vivido por qualquer torcedor, nem mesmo o maois otimista!
As chances são reais de isso acontecer, mas não dependem apenas de nós, do time, dos dirigentes alvinegros. Dependem de outros clubes que também tem seus interesses e objetivos, e por isso, no final, pode, simplesmente, não acontecer nada e tudo continuar como está.

Mas o que vai continuar É A SUA VIDA!
Amanhã, segunda (sem trocadilhos), você acordará e irá para o trabalho, para a escola, vai continuar a sua vida.
Tirando a alegria ou a tristeza, que são passageiras, tirando uma zoação, um sarro, vai tudo continuar na mesma. Você continuará estudando ou trabalhando, e a vida seguirá normalmente.
E, da mesma forma, a vida dos jogadores continuará do mesmos jeito. Lembre-se: eles recebem 200mil por mês, você não!
Por isso, curta seu momento, de alegria ou de tristeza, com você e com os seus, e deixe de lado aqueles que não compartilham desse mesmo sentimento, para que você possa continuar com a sua vida e com seu clube. 
Não entre na pilha do momento, da raiva pela provocação, o que pode se transformar numa briga de consequências gravíssimas, para você e para aqueles que te cercam.
Aquele bocó que publicou um "manual de guerra" para o jogo de hoje na arena já foi identificado pela Polícia Civil e já foi intimado, pessoalmente, para prestar esclarecimentos. Tanto a Polícia Civil quanto a Militar já estão de olho nas redes sociais, a fim de antecipar aos atos de violência, que se você leitor não fizer parte, pode ser envolvido sem querer.
Esse conselho vale para atleticanos e cruzeirenses (acredite, eles lêem este espaço), tanto em caso de rebaixamento quanto de derrota do Galo.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

AUTOMOBILISMO E MÚSICA - Melhor, impossível!

Faster, por George Harrison, que se foi há dez anos.


Aqui, a capa e o disco

Aqui, o clipe

GALOCAST 122 NO AR

O Galocast 122, com mais uma participação do motorista da GaloKombi, já está no ar!
www.galocast.com.br

UM CLÁSSICO E MUITO MAIS!

Muita coisa estranha está acontecendo nessa semana que antecede ao Clássico que pode marcar o (sonhado) rebaixado do crucru.
Passa desde um possível acerto para que o Galo facilite a vida delas, até o apoio maciço da imprensa mineira à manutenção do timinho azul na primeira divisão.
O que será que está acontecendo!? A gente sabe, ou melhor, supõe, mas não pode dizer nem acusar, pois, senão, já viu...
Mas, antes de tudo, mesmo que ninguém tenha perguntado, tenho a dizer que:
1. Não acredito que haja esquema para o Atlético beneficiar o Cruzeiro em troca de vantagem, de qualquer tipo, a despeito dos diversos boatos que estão pipocando. Até porque, se isso ocorrer, além de crime, conforme o Estatuto do Torcedor, será a prova contundente de que todos, E SÃO TODOS MESMO, que estão no Galo hoje, desde jogadores, passando pela Comissão Técnica, até à Direitoria, não merecem vestir, defender, utilizar as dependências, as cores, do Clube Atlético Mineiro. Será um verdadeiro absurdo se isso acontecer! Mas é bom ficar de olho. Hoje, infelizmente, é o dinheiro que move o mundo, e num time composto de mercenários da bola, tudo pode aconter. Além disso, onde há fumaça, há fogo...
2. O apoio maciço da imprensa mineira é algo inacreditável. E digo isso, porque não houve, em 2005, essa mobilização que estamos vendo agora, o que é, simplesmente, ridículo. Se querem o ibope de todas as torcidas, que hajam de forma equânime, o que, efetivamente, não ocorre dessa vez. As notícias, as matérias, com atletas, diretoria e torcedores são odiosas, na tentativa de elenvar um time que, caindo pelas tabelas, tem gente que ainda acha que é o Barcelona.
3. O papel ridículo e desesperado de Roger e Welington Paulista. O primeiro, de forma chula, reclamando dos jogadores do Bahia, em suposta facilitação para o Ceará, sugerindo, até um homossexualidade, coisa que cearense não admite, quando disse que "cada um abre o que quer". Por outro lado, Welington Paulista xingando torcedor do gabaríthians, que chamou o grupo de atletas em Atibaia de rebaixados, e que iria dar uma porrada no cara se não houvesse no caminho, por sorte dele, um alambrado. Depois entra em campo com uma faixa pedindo paz no estádio!? Rídiculo.
4. Mais papéis ridículos praticado por setores da imprensa, no caso, Vibrantinho, no Alterosa Esporte, apelando aos jogadores do crucru com a morte da mãe. Ora, mãe é mãe e não se mistura com futebol! E depois, ainda mandando o vídeo aos jogadores! Que bizarro! Pergunto: o que é que a mãe do Vibrantinho tem a ver com um bando de jogadores de futebol!? Se eles não estão tendo compromisso com o empregador vão ter com a mãe de um torcedor!? Se minha mãe estivesse morrendo a última coisa que ia me importar na vida era o clube de futebol pelo qual torço apaixonadamente, e nunca, NUNCA, iria misturar as duas coisas. Meus sentimentos pessoais, a dor mais doída  da vida, a perda da sua mãe, nunca, NUNCA MESMO, vai se comparar com o rebaixamento do meu clube de futebol. Um absurdo!
E, como sempre, o boboca do Bauxita, no 98FC, que durante o ano inteiro ficou zuando os atleticanos do programa, e também ouvintes, de forma grosseira, como sempre faz, como já dissemos aqui, que apela sempre que alguém joga na sua cara a ruindade do seu time, e ainda pega no pé, com as apostas que não cumpre (o Vibrantinho pelo menos paga as dele...), e as contradições de sempre em relação à defesa do seu time. Hoje, 01/12/11, isso aconteceu mais uma vez! Quanta baixaria.
5. A torcida do cruzeiro que pegar alguém pra Cristo, e deve ser um torcedor atleticano que acabar aparecendo na Arena do Jacará, no domingo. Eles já pediram que todos os torcedores vão uniformizados, ou com a camisa das torcidas ou com a camisa do clube, com escudo e tudo, pra poder identificar aqueles que não sejam maria e estejam de branco, por exemplo! A PM tem que fazer o seu papel, o que nem sempre acontece.
6. Ainda tem cruzeirense dizendo que não tá nem aí se cair, mas tá esperando o fim da rodada para, não sendo rebaixado, ainda contar vantagem, tentando azucrinar atleticano por causa disso...
Isso tudo foi só um desabafo, e, embora acredite que seja muito difícil o crurcru ser rebaixamento, muito mais pela ruindade de seus adversários, que pela sua qualidade, torço para que isso acontença, para que toda a empáfia se acabe de vez, trazendo um pouco de humildade para um povo que come tropeiro no mineirão e arrota caviar...