GaloKombi em vídeo

Loading...

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

RICARDO GUIMARÃES, BMG E O GALO - NADA A VER

Conforme proposto no pos anterior, mudando o assunto tratado aqui, relativamente às análises pós jogo, coloco aqui um assunto que suscitei no twitter: já repararam que toda vez que o Ricardo Guimarães e/ou o BMG se metem a "ajudar" o Galo, a coisa dá errado!?
Pois então. Em 2005, todos sabem, o presidente era Ricardo Guimarães, que inundou o Atlético de dinheiro, trazendo várias contratações, ditas, então, de peso, fazendo com que até o PVC caísse no conto, e manifestasse, no Linha de Passe, que o Galo estava montando time para ser campeão.
Ledo engano.
Aquele time tinha jogadores rodados e experientes, que no final não se acertaram, e o final todos já sabem. Vários foram contratados com dinheiro do próprio Presidente, numa transação, no mínimo, questionável: Eu, Ricardo Guimarães, empresto ao Clube Atlético Mineiro, X milhões de reais, taxa de juros de X% ao mês. E eu, Ricardo Guimarães, Presidente do Clube Atlético Mineiro aceito o emprésitmo, e deixo o Diamond Mall como garantia...
Resultado? O galo deve, ao Ricardo Guimarães, R$96milhões...
Ou seja, além de um time ridículo, um rebaixamento, ainda herdamos do Ricardo Guimarães, uma dívida de R$96milhões para o Ricardo Guimarães...
Em 2010, novamente, recebemos o "apoio" do BMG, que despeja dinheiro no CAM, sob a forma de patrocínio, em que parte dele é dirigido ao pagamento da dívida com o Ricardo Guimarães.
Além disso, com seus recursos, o Presidente Kalil trouxe o pelé dos técnicos, além de diversos jogadores, muito rodados e experientes, a pedivo e com o aval do técnico, também contratado a peso de ouro e, no final, estamos lutando para não sofrer novo rebaixamento...
Não sabemos como estão, quanto custa, e quem paga os contratados. Quer dizer, sabemos que o Galo paga, mas não sabemos de oinde sai tanto dinheiro para contratação, salários e, claro, dispensas...
Não quero ficar aqui analisando se essas transações são corretas, lícitas, éticas, etc...
A moral da história é: já repararam que o Ricardo Guimarães e o BMG são pés frios demais pro Galo!? Sempre que eles se metem a "ajudar" o CAM a coisa dá errado e desanda.
E quem paga o pato é o Galo, na forma de dívidas, e a torcida, na forma de humilhações dos adversários...

DESISTI DE COMENTAR JOGOS

Desisti de fazer análise dos jogos e dos reaultados do Atlético, pois irei falar a mesma coisa de sempre.
Depois do pouco que vi ontem (depois do "chute" do Ricardo Bueno desisti e fui dormir), acabei por me conformar que todos os jogos serão assim daqui pra frente (obrigado Luxa!).
Assim, acredito que não vale a pena estender o sofrimento de 90 minutos para este blog, e aqui passaremos a tratar de outros assuntos do Galo, que não apenas as partidas.
Entretanto, o motorista da Kombi reserva-se o direito de mudar sem posicionamento caso o time se incendeie. E não estou falando de ficar na série A. Estou falando de, mesmo sendo rebaixado, passar a jogar bem, com em 2005, que não deu resultado, e 2004 e 2007, que deram resultado.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

UM DESABAFO!

Copio aqui o comentário que fiz no Lances & Nuances. Um desabafo que só!

"Robertão, o seu desânimo é o mesmo que o meu.
Nunca quis Luxemburgo por aqui, e sempre fui taxado de louco. Hoje, vejo que estava certo. Como também não queria o Kalil como presidente, já que sua paixão imensurável pelo CAM o faz ficar cego de ódio em alguns momentos, o que lhe impede de enxergar as coisas direito e ter que tomar as decisões certas, nos momentos certos, mesmo que ELE NÃO ACHE certo...
Como esta, de não ter demitido Luxa umas dez rodadas atrás. Por isso, parte da culpa tem que ser distribuída ao Kalil. É difícil apontar o dedo pra ele, mas isso é verdade. O Presidente tem que estar presente e ver que treino em meio período nunca poderia dar certo. Ver que a frequência e a sequência de lesões era indicativo de algo estava errado.
Mas não o fez, e agora corremos, inclusive ele, de sofrer as consequências.
A vida do atleticano é assim: superação de um sofrimento após o outro. E quando temos uma alegria e achamos que nada de errado pode acontecer, ele acontece, como em 2009, quando vimos nossa felicidade desaparecer em cinco rodadas, com cinco derrotas, ficando, de novo, o sofrimento de sempre.
Mas o momento, embora diga que sim, não é de abaixar a cabeça. É de continuar o apoio, para ver o Galo na Séria A, com chance de continuar sua batalha inglória contra tudo e contra todos, para ganhar títulos e virar a sina dessa torcida, de uma vez por todas..."

CEARÁ E ATLÉTICO/GO: PARADAS TORTÍSSIMAS!

O Galo enfrenta hoje o Ceará e no final de semana o Atlético/GO.
Duas paradas tortas, dadas as atuais condições do elenco alvinegro, mas que devem ser vencidas pelo Glorioso, se quiseremos manter acesas nossas chances de permanência na Séria A. Afinal, ambos são adversários diretos na luta contra o rebaixamento.
Acredito que, em caso de derrota em qualquer dessas partidas, já era.
Não só pela cruel matemática que passou a nos acompanhar, como também, pelo emocional dos (poucos) atletas do elenco que se interessam e respeitam o CAM e sua apaixonada torcida.
Não acompanhei os treinamentos que o Dorival Jr deu nesses últimos dias, mas acredito que no jogo de hoje já teremos condições de ver a mão do técnico, coisa que não foi possível no jogo contra o Grêmio, no que vimos as mesmas falhas da era luxa, e os resultados que isso pode proporcionar.
Acredito que a principal mudança que o time deve ter, a partir de agora, é de comportamento, o que posso afirmar já ter ocorrido no último jogo.
A apatia foi deixada de lado, embora o esforço dos jogadores tenha sido limitado pelas condições físicas e técnicas do time, como um todo.
Temos que partir pra cima, garantir a vitória, sem deixar adormecer e permitir um gol logo no início do jogo, para jogar uma balde de água fria no ânimo do time.
Estou muito apreensivo, mas acredito, como sempre, que poderemos ver o capítulo da vida do Galo em 2010, se reescrito a partir de hoje.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Nada a dizer, ainda.

A derrota contra o Grêmio, a 16ª neste campeonato, foi, simplesmente, uma derrota a Era Luxemburgo.
Sim, porque, afinal de contas, Dorival Jr colocou em campo aquilo que o Luxa ainda tentava fazer. A mudança efetuada por Dorival, com o afastamento do Fábio Costa e a chance, finalmente, dada ao Renan Ribeiro, não é suficiente para mostrar a cara do Dorival.
As substituições realizadas durante a partida, também não.
Portanto, nada há a dizer, ainda, em relação ao time do Dorival, já que o time de ontem é um remendo do time do Luxa.
Os jogos contra Ceará e Atlético/GO serão definitivos em relação às chances de permanência na Série A. Acredito que derrota do Galo em um, apenas um, desses dois jogos, será fatal para nossas pretensões.
Na quarta teremos outra oportunidade de dar a volta por cima, oportunidade em que já poderemos ver a mão do técnico Dorival Jr. Pequena, diante das dificuldades, é verdade, mas, assim como ontem, em que o time já mostrou, pelo menos, vontade, já poderemos ver se o seu método de trabalho começa a fazer o efeito que a torcida espera.
E espero que o Dorival possa transmitir aos jogadores toda a vibração necessária ao desenvolvimento do time de modo a evitar a repetição do maior vexame da história do CAM.

sábado, 25 de setembro de 2010

Na Folha de S. Paulo de hoje 25/09/10

Como já havíamos antecipado por aqui, confiram matéria da Folha de S. Paulo:

CLIMA RUIM DERRUBOU LUXEMBURGO
Técnico, demitido anteontem, vivia conflito com elenco do Atlético-MG

MARTÍN FERNANDEZ
DE SÃO PAULO

Não foram apenas os maus resultados que derrubaram Vanderlei Luxemburgo no Atlético-MG. O técnico caiu porque também perdeu o controle sobre os atletas.

O descontentamento de grande parte do grupo com o treinador começou após uma derrota por 3 a 0 para o Botafogo, em 7 de agosto.

"Nosso time tem que estar com fome", afirmou Luxemburgo naquela noite. "O trem está passando, e isso tem que incomodar o nosso grupo."

As declarações do treinador irritaram os jogadores mais experientes do elenco, mesmo aqueles que ele havia indicado para o clube.

A avaliação geral era de que o treinador capitalizava sozinho as vitórias e atribuía as derrotas aos jogadores.

Após aquela rodada (13ª), o Atlético-MG estava em penúltimo lugar. Agora é o 18º, com 29% de aproveitamento -muito abaixo do que o time teve em 2005 (37,3%), quando foi rebaixado à Série B.

O ambiente ficou pior no clube depois que o presidente Alexandre Kalil incentivou a torcida a "dar um cacete" em jogadores que estivessem na noite de Belo Horizonte.

Como forma de se proteger das ameaças da torcida -e de marcar posição contra Vanderlei Luxemburgo-, os líderes do elenco pediram para passar 15 dias concentrados no CT Cidade do Galo.

O pedido foi feito publicamente por Ricardinho, Diego Tardelli, Obina e Réver.

Depois desse pedido, o meia Ricardinho foi parar no banco de reservas -o que foi entendido pelos atletas como uma punição ao veterano.

Havia ainda o racha entre o grupo dos jogadores que estava no clube desde o ano passado e os que chegaram recentemente. Grosso modo, havia o grupo de Diego Tardelli (dos antigos) e de Diego Souza (dos novos).

Luiz Lombardi, assessor de imprensa de Vanderlei Luxemburgo, negou que o treinador tenha enfrentado problemas com os jogadores. "Simplesmente não funcionou. Não tem explicação. O relacionamento dele com todo mundo era ótimo lá."

Até a derrota por 5 a 1 para o Fluminense, Luxemburgo contava com o apoio do presidente Alexandre Kalil.

Mas já existiam cartolas do Atlético-MG pedindo a demissão do treinador havia muito tempo, desde que ele resolveu encerrar, em maio, a carreira do atacante Marques, ídolo do clube mineiro.

Marques queria parar de jogar no final do ano, mas Luxemburgo impediu que ele tivesse o contrato renovado, com a alegação de que o veterano não teria chances.

O treinador também recebeu muitas críticas porque a extensa comissão técnica que ele levou para o clube (oito pessoas) nunca conseguiu deixar os jogadores em forma ao longo da competição. Além de Luxemburgo, todos os profissionais levados por ele foram demitidos.


Frase


A coisa ia desandar. O que aconteceu no jogo contra o Fluminense, um time apático daquele jeito, foi um negócio grotesco. O Atlético vai lutar desesperadamente para não cair

ALEXANDRE KALIL - presidente do Atlético-MG

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

A casa caiu, a banca quebrou e o sonho... Ah, o sonho; o sonho não termina jamais!

O título deste post é da obra e graça de Christian Munair, do Terreirão do Galo, no twitter (@munaier).

E não poderia ser mais apropriado para este momento.
Depois do furacão devastador que foi a passagem de Vanderlei Luxemburgo (que os Deuses do futebol o tenham), uma mudança no mau tempo do Atlético é mais do que esperado, porque essa torcida maravilhosa não desiste nunca, e não se afasta nunca do time, mesmo nos momentos mais delicados, como este que, mais uma vez, vivemos.
O momento é de união de todos os atleticanos. Esperar que o novo treinador seja alguém de pulso, que mostre como um tive treinar, jogar, se comportar. Mudar os paradigmas que recentemente se instalaram no Galo, que levava o Galo claramente ao caminho mais difícil já enfrentando por nós, e que não é bom nem de pensar...
Nova chance será dada a esses caríssimos jogadores.
Muitos deles que sequer apareceram no CAM. Estão presentes fisicamente, mas muito distantes dos interesses do Galo, da Diretoria e dessa inflamada torcida.
É a oportunidade de a Direitoria e a Torcida separa o joio do trigo, quem presta de quem não presta; quem está a fim de fazer o Galo campeão de novo de quem está apenas esperando o fim do mês...
Que essa fugaz passagem de Luxa sirva de lição para o Clube Atlético Mineiro. Lição essa que o Juca Kfouri havia dado em 08/12/2009 (clique aqui para conferir), advertindo do que poderia vir, no que esta Kombi concordou e já havia antecipado (clique aqui para ver 10 razões para não ter Vanderlei Luxemburgo no Galo), para que jamais se repita.
Avante Galo!
Vamos repetir 2007: uma arrancada que parecia impossível, mas na qual foram 10 vitórias seguidas, rebaixamento afastado, para um 2011 só de alegrias.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

FORA LUXEMBURGO 3

O CULPADO?
Nem preciso dizer que é o pofexô!
Depois da sábias e brilhantes palavras de Júnior Brasil, em seu excelente comentário pela Rádio Itatiaia, após mais uma risível apresentação do CAM neste brasileirão, e também, depois de seu ridículo comentário contra o Tardelli, por suas declarações após o jogo sobre alguns companheiros, devo repassar aos meus poucos leitores mais informações obtidas por fonte interna do Galo, ligada ao DM.
O grupo está rachado, e isso não é novidade pra ninguém. Entretanto, o responsável pelo racha é quem? Vanderlei Luxemburgo. De acordo com a fonte consultada, seu comportamento em relação a alguns jogadores, logo na sua chegada, já causou mal estar entre os atletas. Após os muitos resultados ruins, o clima só piorou. O pofexô passou a fazer cobranças mais ríspidas, deselegantes e deseducadas, o que a boleirada não tem gostado nem um pouco.
Muitos palavrões, muitos xingamentos, pouco treino físico e tático, pouco rendimento, e ele tirando o foco de si, por sua péssima atuação como técnico.
O racha, que é evidente, não foi causado, e nem piorado, por causa das reclamações de Tardelli, nem das falhas da defesa ou do meio, mas por causa, exclusiva, do comportamento do pofexô em relação aos seus atletas. Entre eles já corre o pensamento em favor de sua saída.
Ou seja, nem seus "peixes" já o defendem mais...

INVERSÃO DE VALORES
Além do racha entre os jogadores, Luxa conseguiu uma grande inversão de valores. Você sabia que o fisioterapeuta das estrelas, recém contratado, ganha mais que os três médicos do Atlético juntos, um deles da seleção brasileira!?
Um fisioterapeuta ganhando mais que todos os médicos do clube juntos!? É OU NÃO É UMA INVERSÃO DE VALORES!? Até isso o pofexô conseguiu...
Daqui a pouco ele demite o Kalil...

Preciso explicar mais porque grito FORA LUXEMBURGO?

domingo, 19 de setembro de 2010

KALIL, FAÇA COMO EM 2009!

No final de 2009, depois de cinco derrotas consecutivas, Alexandre Kalil tuitou dizendo que não era cego nem surdo, e que já estava tomando providências.
Na sequência, fomos todos surpreendidos com a demissão de Celso Roth, com quem o Galo havia renovado o contrato por mais um ano uma semana antes, e poucos dias depois, em entrevista coletiva, o anúncio de Vanderlei Luxemburgo.
Pois é.
Um trabalho que foi bem feito, e ninguém pode negar que não foi bem feito, porque ficamos na liderança do e na parte de cima da tabela a maior parte do campeonato com um elenco limitadíssimo, foi encerrado com 5 derrotas!
E hoje, quase no final de 2010, depois de QUATORZE DERROTAS, o planejamento permanece inalterado. O Pofexô continua aí, brigando com os jornalistas, sem treinar o time, sem condicionar fisicamente seus atletas, jogando poquer na madrugada, falando de seu passado vitorioso, para esquecer seu presente perdedor...
Era isso que a massa queria quando apoiou a vinda de Luxemburgo (com exceção desta Kombi clique aqui para conferir). Ou melhor, é isso que essa MASSA MERECIA?
Por isso Kalil, faça como em 2009. Tuita que vc não é cego nem surdo, e que já está tomando as providências.

FORA LUXEMBURGO 2

Escrevo aqui as palavras ouvidas de fonte fidedigna, ligada aos fisioterapeutas recém demitidos do departamento médico do Atlético.
1.Fred Rincón confidenciou a um deles que não está entendendo o porque de Luxemburgo não fazer nenhum treino tático no CAM. Rincón disse também que o Luxa está sem a pegada que o caracterizava nos clubes por onde passava.
2. Treino físico no Galo é de apenas 15/20min, enquanto no crucru e no América, é de pelo menos 1 hora, e puxado. Depois, bate bola e coletivo, já que não tem treinos táticos.
3. O problema dos jogadores do galo é condicionamento físico, o que não tem dúvidas pra ninguém. Basta ver como os jogadores andam em campo no segundo tempo, e as seguidas lesões que os mesmos sofrem. O trabalho do preparador físico já foi questionado entre a diretoria, mas o Luxa está blindando o responsável.
4. Essa fonte, que tem filhos que estudam no mesmo colégio do Ricardinho e do Leandro, já os viu reclamando do trabalho físico feito no Atlético. Leandro especialmente, após sua segunda lesão no mesmo grupo muscular.
Preciso dizer mais, do porquê que desejo a saída de Luxemburgo?

Em tempo: tive informação sobre um churrascão na véspera do jogo contra o Prudente em que estavam jogadores que jogaram no domingo. Vou apurar, e se for verdade, entregarei cada um que esteve presente.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

FORA LUXEMBURGO

Demorei e custei a ter condições de escrever esse post.
Mas agora não dá mais: FORA LUXEMBURGO!
As seguidas péssimas partidas, cada uma com uma justificativa diferente, desde o entrosamento, até o pão que cai virado com a manteiga pra baixo.
A verdade é que ele não consegue dar jeito ao time. Como o Neto já disse, se não se ajeitou até agora, não se ajeita mais. Parece que os treinos são diversão. Oito meses de trabalho seguido, e não sai uma jogada ensaiada, um posicionamento tático, uma troca de passes em sequência, como acontecia no ano passado que sempre resultava no Tardelli na cara do gol.
Pra piorar, a moda dele agora é treinar um time e escalar outro. Fez isso no domingo, e repetiu ontem. Aí, depois que tudo começa mal e errado, substitui pior!
Ontem, como muitos brincaram no twitter, saiu o Obina, o Iluminado, e entrou Diego Souza, o Apagado.
Mais alguns minutos, tira Neto Berola, que simulou uma caimbra, porque depois saiu correndo todo serelepe, para colocar Jackson, que faz dar uma saudade danada de Tchô e do Xodó da Vovó..., para SEGURAR O EMPATE!
Um empate que, na situação em que estávamos seria muito bom. Mas, diante da fragilidade dos paraguaienses, visível após o gol de empate, poderíamos ter forçado a barra e arrancado a vitória.
E nem venham os defensores de Luxemburgo responder perguntando quem vai ficar no seu lugar. Primeiro porque estou mais interessado no Galo e na sua permanência na série A; Segundo porque qualquer técnico que for colocado lá, com o material que terá em mãos tem condições de fazer um trabalho melhor que esse, vide os recentes técnicos que assumiram novos times no brasileiro 2010: Cuca, PC Gusmão, Felipão com o péssimo palmeiras, Carpegiani (tirou o atlético/PR da Z4 e o colocou, ontem, em sétimo!)...
Por essas todas, mas especialmente, por ontem, em que o Luxa visivelmente procurou segurar o empate para segurar seu emprego, é que passo a pedir, claramente e sem rodeios:
FORA LUXEMBURGO!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

A VERDADE TEM DE SER DITA: A CULPA PELA DERROTA É INTEGRAL DO LUXEMBURGO

Acho que, a partir do que foi visto hoje, não restam dúvida, junto à torcida, que a passagem do Luxemburgo pelo CAM, já deu o que tinha que dar.
Afinal, com o time fraco, em todos os sentidos, sem esquema tático, treinando um time, escalando outro, escalando errado, substituindo pior, e, pior ainda, tirando o atacante de ofício, nem preciso dizer a falta que o Obina fez hoje no segundo tempo, para colocar um meia, de meia categoria, para garantir um empate, demonstra a total ignorância do atual treinador em relação ao clube e ao elenco que tem em mãos.
Acho que o Luxemburgo já deu o que tinha que dar. Um título mineiro, que demonstra a descendente de sua carreira, afinal, fomos campeões mineiros sem ganhar de América e do crucru, e ainda, sofrendo nas mãos de expoentes do futebol...
O que vimos hoje foi, novamente, mais do mesmo.
O time é 100:
100 entrosamento;
100 físico;
100 tática;
100 marcação;
100 jogadas ensaiadas;
100 empolgação.
Um escanteio em que Bruno Mineiro entra livre no meio da zaga, sem marcação.
Uma boa jogada, em que Obina, novamente, mostra que é a única notícia boa pra torcida, faz de cabeça, achando um espaço na defesa adversária.
Um goleiro mequetrefe que só rebate bola pra dentro da área, permitindo os gols mais ridículos que temos tomadas. E o desempate dos paraguaios foi só mais um na extensa lista deste ano. E o Renan Ribeiro, nada...
Não tenho dúvidas de que a culpa de hoje, e mais ainda, de todo o resto do campeonato, é do "mestre" L:uxemburgo. Não treina, escala mal, substitui pior, não tem domínio. Sua caríssima comissão técnica não consegue colocar o time em forma, não consegue dar padrão tático ao time, não consegue, sequer, dar entrosamento aos medíocres e desformados jogadores.
Luxa apostou no empate! Onde já se viu. Tirou Obina para colocar o apagado DIego Souza, que começou na reserva não foi à toa. Depois fazer entrar jackson, que ninguém sabe pra que serve, só pode ser brincadeira...
Já passou da hora de trocar o técnico. Os paraguaios, as bichas, o goiás, o Atlético/GO, o Vasco!, o Palmeiras, o Inter com Celso Roth!!!, são alguns dos exemplos que a troca de técnico pode dar resultado!
Com esse elenco, e o treinamento físico e tático certo, e não esse que o Luxa mostra pra imprensa, qualquer técnico consegue dar o resultado que queremos: permanecer na série A.
Vamos repetindo, lamentavelmente, o roteiro de 2005! Manutenção do técnico e vamos ficando pra trás...

É MATAR OU MATAR!

Parafraseandro o dito popular, hoje, para o Galo, "é matar ou matar".
Sim, na atual situação não podemos nos dar sequer o luxo de ter a morte como alternativa.
É matar ou matar, e sair da Z4 empurrando, se Deus quiser, o Flamíngua.
Diego Souza novamente no banco e Alê estreando são os destaques da rodada.
Espero que a vitória suada do último domingo, inclusive nas arquibancadas, com a péssima organização na Arena do Jacaré, se repita, mas apenas para garantir os 3 pontos.
Não vou nem entrar em análise dos jogadores, do time, do esquema tático, etc. Esse papo já me cansou.
O que quero, daqui pra frente, são 10 vitórias, mais uma hoje à noite, com apresentação de gala de Obina, o Mito, a garantia da permanência na Série A, um final de campeonato tranquilo, e o comprometimento de todos os envolvidos, desde a Diretoria até o roupeiro, para solucionar os problemas crônicos, e muitas vezes ridículos, que vimos no Galo este ano. Ano que se desenhava como o ano da virada, o ano para espantar a Zica.

domingo, 12 de setembro de 2010

Jogo feio, mas venceu. É o que importa!

Na companhia do Zeca do Galocast (@zeca1908), da Renata Araújo (@RenataAra_ujo), da Ana Cris (@anacrisgontijo) e da Leleka (@agcury) vimos mais uma partida sofrível do Galo.
No primeiro tempo, muitos chances perdidas e, também, algum sufoco por parte do Prudente.
De novo, passes errados, falhas de marcação, pouco entrosamento, e, pra variar, jogadores que, parece, não estão em condições de jogo.
No segundo tempo, mais do mesmo, um golzinho salvador de Obina, em jogada bem feita de Ricardinho.
UM GOL, TRÊS PONTOS.
Fim de jogo e pronto: ERA TUDO O QUE QUERÍAMOS.
Mas a jornada é longa e difícil, mas recolhemos os 3 pontos, continuamos na Z4, mas ainda estamos na luta pela permanência na série A.
É o que nos importa nesse momento!
Avante Galo!

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

NAU SEM RUMO

Depois dos últimos acontecimentos e resultados, confesso que fiquei bastante descrente, e me afastei um pouco do dia a dia deste blog. O simples fato de lembrar que teria que comentar sobre o jogo, sobre o time, sobre qualquer coisa relacionada ao Galo, me desanimava, dado o fato de acabar comentando a mesma coisa.

Sobre o jogo contra o Goiás, tuitei que não nos deveríamos enganar, pois o Goiás era fraco e os 3x1 não espelharam o que foi o jogo. Um jogo fraco, mas que, mesmo tendo jogado mal, o Galo venceu, e era o que importava. E muitos deram RT!

Sobre o jogo contra o São Paulo, que acompanhei no Bar do Bolota, no Padre Eustáquio, na companhia dos amigos Leosão (@leo_resende), João Paulo (@johnibigutunai), João Pedro e Samuel, a convite do Bruno César (@zonarock13), vimos mais do mesmo: o time joga bem, mas ao final perde.

E os desdobramentos que seguiram mostram que o Atlético, como um todo, parece estar à deriva, sem comando, mas comando no sentido de pulso firme, anestesiado pelos acontecimentos e cobranças da torcida e da imprensa, sobretudo pelas críticas pesadas da imprensa marrom-cocô carioca e paulista. E esse desânimo acabou por me contagiar.

O Atlético hoje parece uma Nau sem rumo, perdido no oceano do campeonato brasileiro.

O velho Kalil, aquele sem papas na língua, bradando contra tudo e contra todos, voltou, com sua declaração de apoio ao dique denúncia da Galoucura e à um “cacetezinho” em jogador que estiver na balada de madrugada, não trouxe qualquer benefício ao CAM, tanto é que ensejou a aparição de um promotor e do promotor do STJD, correndo o risco de ser suspenso ou até mesmo destituído da Presidência, fozendo com que corremos o risco de ver assumir Daniel Nepomuceno;

Jogadores na balada, ou que não se esforçam nos treinos, ou que não obedecem às ordem do “pofexô”, que não se esforçam nos jogos, que parecem sem ritmo, sem fôlego, sem preparo, físico e psicológico;

Um treinador, reconhecidamente vencedor, mas que nos últimos anos não conseguiu um título de expressão, que comanda a comissão técnica mais cara do país, mas que vive mais do passado que museu, que não consegue colocar uma mínima ordem tática no grupo de jogadores contratados a seu pedido/ordem, que conseguiu dobrar o presidente sem papas na língua, mas que não mostrou, até agora, a que veio;

Protesto de torcedores na sede, contra o treinador e contra os jogadores que fazem o Galo correr o risco de, novamente, freqüentar o inferno da série B;

Tudo isso parece fazer do Galo uma Nau sem rumo, com o time perdido em campo e fora dele, piorando o cenário que já está ruim. E desanima qualquer um!

Devemos nos lembrar, sempre: NADA É TÃO RUIM QUE NÃO POSSA PIORAR.

Já é passada a hora de fazer as coisas acontecerem, e até aqui, apesar do discurso do trabalho, de doação, de cada fazer o esforço, da cobrança dos jogadores entre si, como fez o Rever em sua coletiva, nada parece ter sido feito.

Como disse o Roberto Filho, no Lances & Nuances, a entrada de Obina fez bem ao time. Ele já tem 5 gols, enquanto o artilheiro Tardelli, que parece ter feito concurso público e alcançado a estabilidade no ataque do Galo, tem 6!

Além disso, a falta que o Neto Berola fez no segundo tempo do jogo contra o SP, faz a gente pensar no elenco que temos. O preparo físico está a desejar, já que este não consegue terminar uma partida, extenuado que fica.

Mas é chegada a hora de sacudir a poeira e dar a volta por cima. Não custa lembrar quatro exemplos de superação. O primeiro, que espero não ter que passar, é o do Fluminense que, de virtual rebaixado, se salvou no ano passado; o segundo é o das marias que no ano passado passeou pela parte de baixo da tabela e no final conseguiu uma vaga na Libertadores; o do Goiás que há alguns campeonatos atrás, não me lembro quando, terminou o primeiro turno em último, e foi o primeiro do returno, garantindo uma posição intermediária; e por fim, o SP, que em 2008, de quase rebaixado, terminou campeão.

Reitero que esses são apenas exemplos que devem ser seguidos, não que o Galo vá conseguir alcançar esses resultados, como título ou libertadores. Permanecer na série A já é suficiente dada as atuais circunstâncias.

Tá na hora do técnico vencedor mostrar a que veio, parar com as experiências mal sucedidas, escalar e substituir sem inventar. Fazer o time jogar com força, aguerridos, com um único objetivo, tal como aconteceu no primeiro tempo do jogo contra o SP. Passou da hora de deixar de ser manager e voltar a ser treinador.

Temos que jogar como time pequeno. Se já que não temos um meio campo de marcação e armação fortes que possa municiar nosso ataque; se não temos uma saída de bola rápida; se ainda não conseguimos o entrosamento necessário; se não temos jogadas ensaiadas; se não temos esquema tático; tá na hora de jogar com força, sem dar espaço pro adversário.

O importante, na minha opinião, nesse momento, é colocar a casa em ordem, fazendo com que a paz e a tranqüilidade voltem à Cidade do Galo, permitindo a todos exercer seu trabalho com dedicação e dignidade que a torcida espera. Desde a Presidência, até o último jogador da reserva.

Espero que isso aconteça hoje, contra o Vasco, que é ridículo, e que sirva de incentivo para os próximos jogos.