GaloKombi em vídeo

Loading...

sábado, 25 de setembro de 2010

Na Folha de S. Paulo de hoje 25/09/10

Como já havíamos antecipado por aqui, confiram matéria da Folha de S. Paulo:

CLIMA RUIM DERRUBOU LUXEMBURGO
Técnico, demitido anteontem, vivia conflito com elenco do Atlético-MG

MARTÍN FERNANDEZ
DE SÃO PAULO

Não foram apenas os maus resultados que derrubaram Vanderlei Luxemburgo no Atlético-MG. O técnico caiu porque também perdeu o controle sobre os atletas.

O descontentamento de grande parte do grupo com o treinador começou após uma derrota por 3 a 0 para o Botafogo, em 7 de agosto.

"Nosso time tem que estar com fome", afirmou Luxemburgo naquela noite. "O trem está passando, e isso tem que incomodar o nosso grupo."

As declarações do treinador irritaram os jogadores mais experientes do elenco, mesmo aqueles que ele havia indicado para o clube.

A avaliação geral era de que o treinador capitalizava sozinho as vitórias e atribuía as derrotas aos jogadores.

Após aquela rodada (13ª), o Atlético-MG estava em penúltimo lugar. Agora é o 18º, com 29% de aproveitamento -muito abaixo do que o time teve em 2005 (37,3%), quando foi rebaixado à Série B.

O ambiente ficou pior no clube depois que o presidente Alexandre Kalil incentivou a torcida a "dar um cacete" em jogadores que estivessem na noite de Belo Horizonte.

Como forma de se proteger das ameaças da torcida -e de marcar posição contra Vanderlei Luxemburgo-, os líderes do elenco pediram para passar 15 dias concentrados no CT Cidade do Galo.

O pedido foi feito publicamente por Ricardinho, Diego Tardelli, Obina e Réver.

Depois desse pedido, o meia Ricardinho foi parar no banco de reservas -o que foi entendido pelos atletas como uma punição ao veterano.

Havia ainda o racha entre o grupo dos jogadores que estava no clube desde o ano passado e os que chegaram recentemente. Grosso modo, havia o grupo de Diego Tardelli (dos antigos) e de Diego Souza (dos novos).

Luiz Lombardi, assessor de imprensa de Vanderlei Luxemburgo, negou que o treinador tenha enfrentado problemas com os jogadores. "Simplesmente não funcionou. Não tem explicação. O relacionamento dele com todo mundo era ótimo lá."

Até a derrota por 5 a 1 para o Fluminense, Luxemburgo contava com o apoio do presidente Alexandre Kalil.

Mas já existiam cartolas do Atlético-MG pedindo a demissão do treinador havia muito tempo, desde que ele resolveu encerrar, em maio, a carreira do atacante Marques, ídolo do clube mineiro.

Marques queria parar de jogar no final do ano, mas Luxemburgo impediu que ele tivesse o contrato renovado, com a alegação de que o veterano não teria chances.

O treinador também recebeu muitas críticas porque a extensa comissão técnica que ele levou para o clube (oito pessoas) nunca conseguiu deixar os jogadores em forma ao longo da competição. Além de Luxemburgo, todos os profissionais levados por ele foram demitidos.


Frase


A coisa ia desandar. O que aconteceu no jogo contra o Fluminense, um time apático daquele jeito, foi um negócio grotesco. O Atlético vai lutar desesperadamente para não cair

ALEXANDRE KALIL - presidente do Atlético-MG

Nenhum comentário:

Postar um comentário